segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

CASA DO POETA DE SANTA MARIA

A Casa do Poeta de Santa Maria encerrou suas atividades do ano com um jantar de confraternização no Restaurante Augusto. A direção da entidade e os associados tiveram uma noite bem animada e poética.






Nas fotos, Haydée Hostin Lima e Denise Reis, eu e Lia satori, Onilse Pozzobon e Auri Sudati e, abaixo, Edinara Leão e Maria Venite, Maria da Graça Py e Nere Beladona.

FONTE: Diário SM - 27/12/2010 - Conexão (Maristela Moura)

Año Nuevo


terça-feira, 21 de dezembro de 2010

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

El Coronel no tiene quien le escriba, de Gabriel Garcia Marquez


Qué obra! Com una tecnica narrativa muy interesante, Garcia Marquez escribe el Coronel de modo que el lector percibe todo su realismo. Realismo que está em cada línea de su producción. La pobreza del coronel está puesta en cada palabritas.... el hambre del coronel y de su asmática mujer. ... la eterna espera de una carta que jamás llegaria...el gallo, su unica propriedad... en el fondo, el canal de Suez, la nacionalización del canal...las guerras, el colonialismo latino-americado, la censura, la dictadura colombiana. Realismo muy bien construyido.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos".
(Fernando Pessoa)


(Bira, Antônio, Giovani Pasini, Denise Reis, Haydée Hostin Lima, Eu)
Confraternização da Casa do Poeta de Santa Maria
6 de Dezembro de 2010
Restaurante Augusto - Santa Maria / RS

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Sitio Oficial de Mario Vargas Llosa

http://www.mvargasllosa.com/menubn.htm

Analisis de "Los Cachorros", de Mario Vargas Llosa

Al leer los textos críticos sobre la producción ficcional de Mario Vargas Llosa, lo que se percibe es su fabuloso mundo de creación. Marcada, muchas veces, por la cuestión biográfica[1], como apunta Juan Carlos Onetti en el texto “Estructuras Sociales” (p. 156 y 157), la escritura del peruano borra su imagen de personaje, o mejor, como menciona el crítico, “si Vargas Llosa habita su obra, es sólo después de fragmentarse más allá de toda posibilidad de reconocimiento singular”. Además de esta cuestión, y de un análisis general de las obras del escritor, Onetti apunta, también, la complejidad que involucra la estructura de las obras de Llosa, sus personajes y sus narradores.
Después de leer “Los Cachorros[2]” y, en especial, el prólogo da la obra firmado por Joaquín Marco y el texto crítico de Julio Ortega, esas cuestiones se quedaran un poco más aclaradas. Eso porque, como afirma Ortega, la narrativa de Vargas Llosa “tiene en si misma sus leyes y necesidades” (p. 135), o sea, no es una narrativa en que sea posible una aplicación de teorías para la confirmación de hipótesis. Cada página, cada capítulo permite una posibilidad de lectura. Eso ocurre porque el literato “reúne, visible o secretamente, varias líneas de creación, varias tendencias que señalan su linaje literario” (Ortega, p. 135). En resumen, no es una lectura (tan) fácil. Frente a eso, dos elementos (me) parecen interesantes de destacar en esta novela: el narrador y el lenguaje.
En la primera línea, en el primer párrafo de “Los Cachorros” el lector se depara con la siguiente problemática: el narrador es tercera y primera persona también.

Todavía llevaban pantalón corto ese año, aún no fumábamos, entre todos los deportes preferían el fútbol y estábamos aprendiendo a correr olas, a zambullirnos desde el segundo trampolín de Terrazas, y eran traviesos, lampiños, curiosos, muy ágiles, voraces. Ese año, cuando Cuéllar entró al Colegio Champagnat. (Vargas Llosa, s/d, p. 37)

Ortega refiriéndose a esa ocurrencia del narrador, menciona que “el relato está organizado sobre la base de la tercera persona, que mira hacia atrás en la perspectiva del recuerdo actualizado por el dinamismo de la primera persona del plural, instaurada ya en el presente del relato” (p. 143). Según Ortega, tiempo pasado y tiempo presente se unen así en la unión de dos personas en la misma frase, como apunta el fragmento arriba.
Para Ortega, el narrador de “Los Cachorros” es un narrador colectivo, múltiple (p. 143). Eso porque al mismo tiempo en que apoya el relato en el plural narrativo (nosotros), apoya el relato en la tercera persona – es, por eso, un narrador doblemente objetivado. Vargas Llosa, para el crítico, resulta así en un cómplice verbal: “su objetivación en la tercera persona está comprometida de todos modos con el tono de habla del narrador colectivo” (p. 144).
Otro punto interesante en la ficción estudiada es el trabajo con el lenguaje, en especial, el uso de diminutivos. Para Ortega, el uso de estos recursos permite la creación de “una conversación adolescente”, muy coherente para el relato que propuso Vargas Llosa, que habita éste universo.
Sin hacer un análisis lingüístico, sino sólo una observación, lo que ocurre en la obra “Los Cachorros” es una metáfora verbal amplia, como bien observó Ortega. El uso de diminutivos “no sirve solamente para crear intimidad y leve ironía, sino que va más allá” (p. 146), pues, conforme el tiempo del relato avanza, el tono infantil pasa a incomodar el lector. Como observó Ortega, “se trata de una contradicción entre la edad de los personajes y el tono de habla que sigue siendo idéntico, tan andrógino y asexuado como en la infancia” (p. 146). Hay como una infantilidad permanente: aunque adultos, los alumnos del Colegio Champagnat siguieran hablando con el mismo tono. Los diminutivos son, así, una forma de caracterización de los personajes (Ortega, p. 147).
Resta, por fin, mencionar un hecho descripto por Joaquín Marco en el prólogo de “Los Cachorros”. El tema de la obra fue basado en una noticia periodística. Mario Vargas Llosa “leyó que en un pueblo peruano un perro había mordido a un niño de pocos meses, produciéndole la castración” (p. 17). Entre la noticia periodística y el relato de Llosa ha surgido, como apunta Marco, un mundo entero, creación, demonio personal del autor (p. 17).
REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS
LLOSA, Mario Vargas. “Los Cachorros”. Biblioteca Básica Salvat, s/d.
BROTHERSTON, Gordon. Supervivencia de la ciudad ennegrecida. Juan Carlos Onetti. “Estructuras Sociales – Mario Vargas Llosa”. La irrupción de la novela latinoamericana. Bogotá: Ed. Pluma, 1980.
Ortega, Julio. “Los Cachorros”. La contemplación y la Fiesta. Caracas: Monte Avila, 1984.

[1] Onetti se refiere, en especial, a las obras “Los Jefes”, de 1959, y “La Ciudad y los Perros”, publicada en 1963.
[2] La obra “Los Cachorros” narra la historia de Cuéllar, un chico de clase media, aplicado en los estudios, bueno futbolista, que fue estudiar en el Colégio Champagnat (Perú). Cierto día, después de jugar con sus compañeros de clase, fue bañarse. En el baño, fue atacado por Judas, un perro, que lo castra. Después de lo ocurrido, todo cambia. Cuéllar deja de estudiar como antes, los curas del colegio le permiten todo, pues se sienten culpables por lo ocurrido con el chico, sus amigos pasan a llamarlo por un apodo feo, que, en principio, Cuéllar no aceptó, más que, después, pasó a utilizarlo. En la adolescencia, Cuéllar pasó a tener una conducta insoportable. Sus amigos empezaran a enamorarse de las chicas, pero él, por su problema, no las deseaba. Cierto día, se interesó por Tereza, pero ella se interesó por otro joven. Eso llevó Cuéllar a la perdición, pues fue, poco a poco, se consumiendo hasta que, con todos sus amigos ya casados y con hijos e hijas estudiando en el Champagnat, Cuéllar se murió.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Fim de um ciclo, início de outro..

Hoje fechou-se um ciclo que me perturbou bastante. Hoje abriu-se um ciclo que me encantou bastante. Deus é justo. As coisas acontecem para aqueles que fazem as coisas acontecerem...

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

...Comentariozinho de fim de noite...

Todavía llevaban pantalón corto ese año, aún no fumábamos, entre todos los deportes preferían el fútbol y estábamos aprendiendo a ...

Hoje comecei a ler um dos livros do Nobel de literatura 2010 - Mario Vargas Llosa, el peruano. "Los Cachorros" é uma obra da década de 60 do século passado e pelo que tudo indica - muito atual.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Ser professor é receber o carinho de muitos. Um carinho sincero, um abraço sincero, uma cartinha escrita com todo o coração, um bombom, uma bala. Ser professor é ter o privilégio de receber estes mimos. Ser professor é também receber o descaso de muitos - estes que chegaram ao lugar incerto da ignorância, da arrogância - e que serão resgatados (ou não) pela mão amiga de alguém que lhes ensine a viver.
Aos meus alunos, o meu muito obrigada!
Este dia foi incrível!
Profª Angelise.

sábado, 11 de setembro de 2010

11 de Setembro: Proclamação da República Rio-grandense.

Camaradas! Nós que compomos a 1ª Brigada do Exército liberal, devemos ser os primeiros a proclamar, como proclamamos, a independência desta província, a qual fica desligada das demais do império e forma um Estado livre e independente com o título de República Rio-grandense, e cujo manifesto às nações civilizadas se fará oportunamente. Camaradas! Gritemos pela primeira vez: viva a República Rio-grandense! Viva a idenpendência! Viva o exército republicano Rio-grandense!


General Souza Neto,
11 de setembro de 1836.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

7 de setembro?

Alguns dizem que a Pátria é o nosso país, marcada no retrato territorial brasileiro. Pátria é mais que isso. É mais do que nascer no Brasil ou em qualquer parte do mundo. É pertencer a um espaço característico, ter uma identidade, uma língua, uma cultura, um sentimento de pertencimento. Fora do país por alguns meses, bebi deste sentimento de formas nunca antes sentidas. Estar longe é estar tão perto do que nos forma. Descobri, cheia de saudade, que minha identidade regional é hierarquicamente superior a minha identidade nacional. Não que não me considere brasileira. Nada disso. Mas somos tão moldados no nosso sistema regional, que é inevitável não nos sentirmos apartados do restante do país. Somos tão diferentes. E a identificação sempre se dá por uma exclusão - "sou brasileira, mas não sou paulista"..."sou brasileira, mas não sou gaúcha"...coisas do tipo. Por isso, talvez, que sentimento de pátria, para mim, se dá em um outro dia. Um dia que eu ainda me orgulho de comemorar (ou não, dependendo do ponto de partida da nossa charla...): 20 de setembro! Isso se dá, talvez, pela relação dos gaúchos com o Brasil ser um "casamento forçado", uma imposição de "pai". É fato ... é só escutar qualquer gaúcho cantando o hino nacional...cheio de dúvidas...e escutar qualquer gaúcho cantando o hino do Rio Grande, cheio de amor.

"Amada mía
querida mía
!Ay, Patria mía!
De tumbo en tumbo
se pierde el rumbo
de la alegria"
(Mercedes Sosa)





segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Sorriso de orelha a orelha

Este final de semana foi de muito trabalho. Corrigi provas e mais provas das minhas turminhas do ensino fundamental. Porém, feliz fiquei ao ver o resultado das avaliações com uma turma "mega especial": a aceleração. Esta turma desacreditada arrebentou! Escreveram textos de gente grande, cheios de crítica e fundamento. Estou feliz! Bem feliz...

domingo, 22 de agosto de 2010

Os olhos nasceram zeros

Desde o ensino fundamental tenho vontade de aprender Braille. A minha colega da frente escrevia com pontinhos, traçando cada palavra para conhecer o mundo. Eu queria conhecer o mundo dela, ler com a pontinha dos dedos. Aprendi a ler com o coração. Depois eu queria ler o mundo para a minha colega... e descobri que a leitura é algo egoista. Não se pode ler para ninguém. Então, aprendi a descrever o mundo para ela e ela me ensinou a escutar mais. Crescemos. Saimos do colégio. Seguimos caminhos bem próximos... Ela ensina a ler...e eu penso que ensino alguma coisa.
Na faculdade, novamente me deparei com os pontinhos que levaram um colega ao título de graduação em Letras. Pontinhos que me convidaram sempre... que me chamaram para desbravar um universo único de aprendizado.
Eu aceitei o convite. Hoje é a terceira semana que escrevo em braille. Escrevo com dificuldade. Escrevo com o coração. Eu ainda quero ler com a ponta dos dedinhos... e mandar uma carta para a minha amiga Arlete. Eu ainda quero ler com a pontinha dos dedos e agradecer ao meu colega Rodrigo, ao meu professor Rodrigo.

sábado, 14 de agosto de 2010

Reflexões de Paulo Freire

Ler, estudar, é um trabalho paciente, desafiador, persistente. Não é tarefa para gente demasiado apressada ou pouco humilde que, em lugar de assumir suas deficiências, as transfere para o autor ou a autora do livro, considerando como impossível de ser estudado.
Paulo Freire (Cartas ao Professores)

quinta-feira, 12 de agosto de 2010


Por el día de ayer, 11 de agosto, felicito a todos mis alumnos: Feliz día del estudiante!
Besos de la profesora Angelise.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Primeira Semana de Aula

Alunos inquietos. Muitos poderiam achar que isso não é bom. Para mim, ao contrário, é da inquietude do outro, sujeito em formação, que nasce o desafio de estar em sala de aula e compartilhar conhecimento. Aprendi muito com cada gesto de carinho, com cada pedido de atenção. E quem não aprenderia com eles? ...
La confianza en sí mismo
es el secreto del éxito.
R. W. Emerson

domingo, 1 de agosto de 2010

EDUCAÇÃO: UM SONHO POSSÍVEL


Sou uma aprendiz. E é sob esta condição que, todos os dias, preparo uma aula para o meu aluno. Aprendo com ele em cada ato comunicativo. Nosso encontro é sempre um espaço participativo de aprendizado mútuo. Se não for para crescermos juntos, a educação, a meu ver, não funciona.

Escolhi ser assim, construir meu caminho dessa forma, porque acredito que ser professor não é portar uma verdade, um conhecimento uno e estanque. Ser professor é mediar uma descoberta única e inesquecível para o aluno: a descoberta do mundo e do homem como parte deste universo. E é, também, descobrir-se a si mesmo como sujeito (ativo) desse espaço de / em transformação.

Escolhi ser assim, porque acredito na POSSIBILIDADE DOS SONHOS e não deixo que os obstáculos tomem conta do meu destino. Os obstáculos sempre existirão na minha trajetória e eu tenho apenas duas escolhas a fazer: ou esbarro neles ou mudo eu/eles de lugar. Eu acredito que a mudança é possível: para mim e para o outro, para mim e para o meu aluno.

Afinal de contas, como coloca o grande poeta Mario Quintana no seu poema "Das Utopias" - "Se as coisas são inatingíveis...ora! Não é motivo para não querê-las... Que triste os caminhos, se não fora a presença distante das estrelas!".

Eu acredito na estrela que há, mesmo que distante, em cada pessoa que cruza o meu caminho.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Escola Municipal de Ensino Fundamental Valentim Bastianello

No último dia 16, passei a fazer parte do quadro de funcionário públicos municipais da escola Valentim Bastianello. Estou super feliz. Feliz mesmo! De repente, voltou em mim a esperança de que posso fazer algo por alguém. E vou fazer, se Deus permitir.


quarta-feira, 7 de julho de 2010

No llores por mi, Argentina.
Hoje me vou. E "indo" percebo o quanto, apesar de todos os percalços, valeu a pena. Saio da Argentina sabendo mais o español, saio com boas notas no currículo, saio feliz, porque consegui cumprir as metas que estabeleci. E, além disso, saio com poucas, mas verdadeiras amizades. E isso, não tem preço.

terça-feira, 6 de julho de 2010

La última noche y sus reflexiones


"La palabra es irreversible, ésa es su fatalidad. Lo que ya se ha dicho no puede recogerse, salvo para aumentarlo: corregir, en este caso, quiere decir, cosa rara, añandir. Cuando ha, no hablo no puedo nunca pasar la goma, borrar, anular; lo más que puedo hacer es decir 'anulo, borro, rectifico', o sea, hablar más."


Roland Barthes - El Susurro del Lenguaje, p. 99.

sábado, 3 de julho de 2010

Las clases de Literatura Comparada y teoria literaria


As classes do curso de Letras da Universidad Nacional del Litoral são "inolvidables"... O que posso afirmar é que a maior realização deste intercâmbio foram essas classes.

A forma clara com que aprendi a ver a Teoria, o interesse que passei a ter pela obra de Roland Barthes: tudo isso devo ao "Profesor Hugo Echagüe". Homem inteligente que ensina muito mais do que a cátedra autoriza - ensina a gente a ter amor por tudo que lê, ensina a gente a querer mais. O professor Hugo respeita os alunos que tem.

As professoras de Literatura Comparada também foram incríveis. Adriana Crolla me encantou pela clareza de suas aulas. Professora Silvia Clement pelo conhecimento da literatura francesa... A (outra)Professora Silvia, pelo conhecimento profundo do mundo clássico. Tive, aqui, uma iniciação fantástica no caminho das comparadas. Textos excelentes, aulas excelentes - que eu jamais vou esquecer.


OBRIGADA! GRACIAS!

domingo, 20 de junho de 2010

Finaleira: os benefícios e os malefícios de fazer um intercâmbio

Certamente a escritura deste texto deveria vir depois de passado o caos. Atrevo-me, portanto, a errar em algumas considerações por ter o pensamento cheio de rusga, de saudade, de vontade de partir. Entonces...

Um intercâmbio é uma grande oportunidade de crescimento (ou não, como tudo na vida). Há quem o aproveite de todas as formas e há quem ache algumas delas "bens" equivocados. Eu sou uma dessas pessoas que não acha graça em tudo. Isso é uma constatação que o intercâmbio veio afirmar ou confirmar para mim. Eu sou careta, sim. E sou muitas outras coisas também... meus defeitos estão aí, para quem quiser nomeá-los. Mas, se tenho algumas qualidades (hã, porque eu também as tenho - tsc tsc tsc), que possam ser destacadas neste momento, são elas a da paciência e a da persistência.

Tive paciência de viver em um dormitório revirado, com inúmeras coisas jogas ao chão. Tive paciência de cozinhar em uma cozinha imunda. Tive paciência de tentar dormir com risadas altas, gritos e músicas. Tive paciência de escutar bobagens, sacanagens, deselegâncias, destemperos. ... E perdi a paciência muitas vezes.

Tive persistencia de chegar ao fim (porque agora faltam somente 13 dias) com alguns arranhões, sim, e com a certeza de que o homem é mesmo um bicho estranho. Um animal que intenta a todo tempo impor uma identidade (eu mesma faço isso todo o tempo na minha terra e na terra alheia), um gosto, uma "regra moral" (regra essa que grande parte da bicharada desconhece por pura falta de orientação).

o Intercâmbio serviu para visualizar o mundo no pequeno espaço de uma casa e ver que, de fato, a sociedade corrompe (quase todos) os homens. Serviu, também, para ter certeza que amizades ainda são possiveis, que há gente boa no mundo e que este, de todo, não está perdido.

Se eu voltaria para a RAE? Nunca mais. A Argentina me recebe todos os anos ... mas morar com tanta gente diferente é uma loucura que não cometo jamais. Saudade? Sim ... não de todos.

Copa do Mundo desde Argentina


Copa do mundo mexe com a gente, mexe com o sentimento patriota que existe em cada um de nós. Quando se está longe da terra, então, todos estes sentimentos se afloram em outros matizes. Emergem em verde e amarelo, mesclado com tons de azul. Da Argentina, o Brasil se torna ainda mais "gigante pela própria natureza".

sábado, 5 de junho de 2010

La Murga Uruguaya en Santa Fe

Sempre achei carnaval uma coisa bastante comercial. O Brasil ganha muito com cerveja e fantasias. Há quem pague o ano inteiro a roupa que usará para cruzar a Sapucaí. Há quem se desespere por um camarote nos bailes e avenidas das pequenas, mas não menos entusiastas, cidades. Eu, que fujo dos burburinhos e beberagens, sou mais de ficar em casa nestas épocas. Coisa que nega um pouco a minha brasilidade. Ou, pelo contrário, que afirme outros valores que trago. A Murga Uruguaya me agradou por isso. O carnaval para los orientales não é desfile da nudez, das siliconadas e das popozudas. É riso com arte e arte com crítica e crítica com inteligência. Comparada as fantasias dos foliões do Rio de Janeiro, os trajes das murgas são trapos pouco atrativos. Mas a ginga, o saracoteio é o mesmo que no medievo já existia. A murga uruguaya é puro talento.

http://www.murgalaclave.com/

terça-feira, 1 de junho de 2010

"(...) me fala que a égua ta prenha, que o porco ta gordo, que o baio anda solto, que toda a cuscada lá em casa comeu"

sábado, 29 de maio de 2010

Novas amizades, Velhas amizades

Durante o intercâmbio estudantil (bem verdade, durante toda a vida) descobrimos quem são os amigos que temos - aqueles que não são os momentaneos companheiros de classe, nem os que se juntam para fazer um trabalho ou outro, nem aqueles que só são amigos de comidas e bebidas "eventuais". Descobrimos os "amigos de verdade", por mais usual e "démodé" que seja esse rótulo, porque esses são presença absoluta no dia-a-dia da gente. Fazem falta. Diante desta revelação, em contrapartida, vivenciamos o movimento da vida, o giro no círculo das amizades: novos amigos, quiçá verdadeiros, se formam. E a gente passa a acreditar de novo que o mundo não anda tão perdido como se imaginava.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

De longe...

De longe tudo parece ter outra dimensão. Coisas minúsculas vão muito além da sua miudeza - viram muralha, campo de batalha, guerra, arma, canhão. E as palavras já não bastam para que o coração volte ao mesmo (des)compasso. De longe tudo está longe demais.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

El Bicentenário Argentino

Para muitas pessoas, a passagem do bicentenário argentino não significou nada. Talvez o mesmo ocorresse comigo não fosse a minha vinda para esta terrinha banhada pelo Rio da Prata. O fato é que as comemorações pelos 200 años de Argentina foram muito bacanas. Em Buenos Aires, todas as regiões uniram-se em um desfile na gigantesca Calle 9 de Julio, em frente ao Obelisco. Gauchos de Salta, personajes de murgas, el pueblo - todos juntos para cantar cumple por sua pátria. Em Santa Fe, as comemorações foram mais simples, mas não menos entusiastas. Todas as forças armadas passaram pelo avenida que costeira a Plaza 25 de Mayo. Crianças, jovens, adultos, cadeirantes, argentinos ou não, se foram tempranito mirar todo e cantar, a uma só voz, o himno Argentino. E eu, que não sou de perder momentos inolvidables, estava lá.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Santa Maria,

Santa Maria,
Maria menina
da mãe Medianeira
da índia Imembuy

Santa Maria
teus montes me guardam,
que eu volto para ti.




Feliz cumple!

sexta-feira, 14 de maio de 2010

LAS ALPARGATAS

El origen de las alpargatas es muy antigua. Hay quien diga que está en la sandalia egipcia. Este origen está documentado desde al menos 1322, año en que data el documento redactado en Catalán, que describe las espardenyes «alpargatas».
Las alpargatas forman parte del traje típico de buena parte de España, y especialmente de los territorios de la antigua Corona de Aragón (Aragón, Cataluña, Comunidad Valenciana e Islas Baleares), así como la Región de Murcia, Almería y en el ámbito cultural vasco (País Vasco, Navarra y País Vasco Francés). En el sur de Francia la alpargata también es muy tradicional.


En la América, la alpargata llegó en la mitad del siglo XIX y pasó a hacer parte de la indumentária típica del hombre del campo. En Argentina, por exemplo, la alpargata ha pasado a ser el calzado barato y diario de los gauchos, aunque es frecuente el uso de este calzado por parte de la mayor parte de la población. Incluso Perón, el grand personaje Argentino en el ámbito político, las llevaba en sus pies.


Es importante decir que en Brasil se costumbra usar este tipo de zapato, el la región sur.
Es importante decir, también, que yo no imagino un español y un francés con alpargatas en los pies...y que no imagino un Argentino, un Uruguayo y un sur-brasileño sin ellas.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Palavrinhas de inicio de tarde...

Eu sou de escrever pouco mesmo. Não sou amiga das grandes e intermináveis frases. Nada contra elas, mas "me gusta" ficar descobrindo o depois e o depois que vem depois do ponto final. É como tentar saber o que está na outra margem no rio, sem ver nada além de neblina e neblina. Por isso, deixo a mensagem do meu amigo Fernando, para que os que leiem este singelo blog imaginem a riqueza que há na escrita dele (mirem o poeminha abaixo). E para ele, um convite à escrita (que começa com o grande poema do Luis Coronel, enviado pelo Fernando) - quiçá a escritura por estes caminhos virtuais, tão palpáveis, às vezes.
Teus pés voam longe
Asas de pavão
Num festival de cor e paixão.
(Fernando Caprioli)

ROMANCEIRO DA ERVA-MATE - Luiz Coronel

Naquele dia, por simpatia,
se achegou, sentou ao meu lado.
E me olhou e me serviu
mate com açúcar queimado.
Voltei logo, vim de longe
troteando a felicidade.
Naquele mate com açúcar
me deu somente amizade.
Passei a vagar pelos campos
dia e noite a pensar nela.
Pra dizer que em mim pensava
Serviu mate com canela.
Colhi as flores do campo,
trouxe brincos e um anel.
Querendo casar comigo
me serviu mate com mel.
Mas não quis partir comigo,
ai, quanta tristeza eu trago.
Pra dizer tenho outro amor,
me deu mate mui amargo.
Sete vezes eu voltei,
mas desisti afinal.
Só pra me mandar embora
me serviu mate com sal.

Sua vida é sentida
no calor de cada mate.
Na invernada do amor
é sabor de vida e sorte...

terça-feira, 11 de maio de 2010

HABLAR EN LA RADIO


Ayer, lunes, me fui hablar en la radio de la Universidad Nacional del Litoral sobre el intercámbio estudantil. La charla fue buena. Era para hablar del momento que yo vivo acá en Argentina y hablamos de literaturas. Sí, la literatura brasileña me fue questionada, así como la producida en la "Bacia do Prata" - y pude decir (casi) todo... porque las palabras faltan cuando necesitamos de ellas. O sea, aprender una lengua es mucho más que saber los verbos, unos vocablos ... es producir habla en / con una otra "estrutura lingüística" - y eso no es fácil.


domingo, 9 de maio de 2010

Madre

fuiste los ojos míos
mi respiración
regalasteme la vida

y después de todo
yo sólo soy lo que soy
porque compartiste tus experiencias comigo.



!Feliz día de las Madres!

terça-feira, 4 de maio de 2010

N(o.s)

Ao amigo Otavio Segala,
que busca algo na/da arte, assim como eu.

minha vida há cambiado
desde que mudei pra cá
deixei tudo por um sonho
vim pra cá pra me encontrar.

mas o encontro é um mistério
sempre perto, a desvendar
só descobre quem ao certo
se perdeu pra se achar.

mas o encontro é pura sorte
de quem tem ou nunca viu
só descobre a sorte ao certo
quem ficou ou quem partiu.

mas o encontro é nostalgia
é luz, é treva, é ilusão
só se acha o outro eu
nos acordes de um violão.

sexta-feira, 30 de abril de 2010

O MATE BRASILEIRO E O MATE ARGENTINO

Que o Rio Grande do Sul tem mais semelhanças com os uruguaios e argentinos, em se tratando de aspectos ligados à cultura, como a indumentária, a música, as payadas, o folclore, etc., todo muito sabe. Ou melhor, todo aquele nascido no extremo sul-brasileiro, ou aquele que conhece o RS e, naturalmente, la tierra de los hermanitos. Mas que o mate nos difere, poucos se deram conta.
Tudo começa pela estrutura do mate (ótima essa!), a parte material da coisa. A cuia se difere na mão do povo. No RS se usa uma cuia maior, geralmente de porongo. Aqui na Argentina se toma mate em cuia de porongo, de madeira, de guampa, de plástico - e, independente do tipo de recipiente usado, este é sempre pequeno (ou - "qué se yo" - menor que o nosso do RS).

A bomba, no RS, é artigo de luxo. Quase sempre (salvo o que tem a guaiaca desguarnecida) é em prata, com detalhes em ouro. Aqui é feita de um material tão barato que o gaúcho não pode esquecer de tirar a erva da cuia, porque corre o risco de não ter bomba para o dia seguinte (claro que se encontra boa bomba, mas o povo tem o costume de usar essas).
O "recheio" do mate também marca a diferença entre nós, brasileiros, e eles, argentinos. A erva daqui é forte, moida grossa, muitas contendo "yuyo". No RS a erva é suave, mais em pó, verdinha e com pauzinhos. E quem quiser chá no mate tem que colocar. O mate argentino não tem "monte". O nosso, sim.
Agora, dentro disso tudo, nada nos difere mais do que a forma de "hacer el mate" e degustar-lo. Os Argentinos fazem mates "chiquitos", de um gole "no más". O mate do gaúcho do RS é um mate para buenas (e longas) conversas, para pensar na vida. Se sorve, aos poucos. Não se bebe de pronto e se passa a cuia. O ritual de matear, portanto, é muito distinto.
No entanto, o mesmo mate que nos distancia, nos aproxima. Nas classes, aqui na Argentina, o mate, assim como no RS, é o meio mais fácil de fazer amizades. Todos compartilham do mesmo gosto, do mesmo prazer cultural de matear. Minhas aulas de teoria são aulas de mate também, um mate que traz o Rio Grande para perto da gente quando a gente está fora e que, também, traz a cultura do outro que se "intenta" desvendar para mais perto de nós.
Para aquellos que quieran aprender a cebar el mate, la figura abajo enseña:

Para aquellos que le gustan el mate, miren el sitio abajo: http://weblogs.clarin.com/cronicas/archives/serie_17_el_mate/

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Buenos Aires e Colônia de Sacramento em 4 dias

Há coisas inolvidables na vida. Ir a Buenos Aires e Colonia del Santo Sacramento com um mapa nas mãos e muita boa vontade é uma destas coisas. As calles, as avenidas, os edificios, o cheiro, as caras, as plazas... tudo é de encher os olhos. A librería El Ateneo é um espaço de cultura único na América Latina. Queria ver algo minimamente semelhante no Brasil. O caminito é lindo. A praça de maio é linda. A calle Florida, os shoppings... A companhia de um amigo querido é, também, algo significativo numa viagem assim. Uma viagem que é para cumprir uma espécie de ritual: o ritual da realização do sonho. Eu sonhei o sonho realizável de ver e passear pelo Río de la Plata. Passeiozinho histórico este, que me fez recordar todas as páginas de Guilhermino César e seu História do Rio Grande do Sul. História essa ubicada também nestas margens largas do rio que leva os porteños ao Uruguay e os uruguayos a cosmopolita Buenos Aires.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

DISTANTE DA QUERÊNCIA

Minha terra tem mate bueno,
onde a charla corre frouxa.
Tem carreteiro e carne assada,
a minha terra.
Tem vento quente,
que desarruma o cabelo.
Tem vento norte, a minha terra.
Tem aconchego, tem solidão...
gentes nas ruas, nas lojas, nas vendas, no calçadão...
Tem outro ritmo a minha terra.
A lejos... lo que miro es mi patria y descubro lo que, en verdad, yo extraño.
Descubro el real significado de la palabra SAUDADE.

terça-feira, 13 de abril de 2010

BUENOS AIRES

Calles muy anchas, muy largas. Tangos por las veredas... antiguidades...plazas...árboles...cafés...poesia...belleza. Así la imagino. Imagino Gardel invitandome a una milonga. Eva Perón a una charla sobre los pobres y todo lo demás .... a la vida. Así empiezo mi viaje: todos los caminhos me llevan a ti, Buenos Aires.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

El tango

En Lunes empecé a bailar tango. El tango Argentino, que nació, segundo mi profesor (Leandro), en el Río de La Plata. Por lo tanto, su orígen (tango) es compartida entre argentinos y uruguayos. Gardel, incluso, es una figura que se comparte. El dulce de leche y los alfajores también. A ver... bailar tango es una arte de parejas. No se puede bailar bien sin una afinidad permanente, sin una sintonía, una armonía total entre los dos que bailan. Tango no es "dois para cá, dois para lá", o, para intentar una traducción de la canción brasileña, "dos para acá, dos para allá". Tango es una danza que dibuja una pasión - dibujo, eso, que se da con los pies, el cuerpo y la alma. Bailar y bailar, es lo que busco. Solamente lo que busco es la felicidad.



LOS ARGENTINOS

Estar de intercámbio es mucho más que aprender una lengua, su acento. Es, además de eso, conocer los procesos culturales del pais en que se está viviendo. En esta semana, el asunto principal en toda la nación del antiguo Reino de la Plata fue "Las Malvinas". Impresiona la forma como este tema es mencionado por los argentinos. Muchos de ellos piensan que lo que pasó, pasó. Muchos piensan que la guerra es más de una de las maldades que el gobierno hace al pueblo. Gran parte de la población quiere las islas - sólo por querer, porque piensa que es suya por derecho. La mayoria se calla frente al tema; la mayoria tiene algo de que hablar sobre el tema - y hablan con un poder de conocimiento. Además de eso, todos los vehículos de información dieron mucha énfasis al asunto: músicas, poemas borgianos, fotos, carteles... todo en las calles denunciaban algo que no miramos en Brasil. Acá las cosas son como el tango: apasionadas y trágicas. A veces más trágicas, a veces más apasianadas.



Juan López y John Ward

(Jorge Luis Borges)

Les tocó en suerte una época extraña.
El planeta había sido parcelado en distintos países, cada uno provisto de lealtades, de queridas memorias, de un pasado sin duda heroico, de derechos, de agravios, de una mitología peculiar, de próceres de bronce, de aniversarios, de demagogos y de símbolos. Esa división, cara a los cartógrafos, auspiciaba las guerras.
López había nacido en la ciudad junto al río inmóvil; Ward en las afueras de la ciudad por la que caminó Father Brown. Había estudiado castellano para leer el Quijote.
El otro profesaba el amor de Conrad, que le había sido revelado en un aula de la calle Viamonte.
Hubieran sido amigos, pero se vieron una sola vez cara a cara, en unas islas demasiado famosas, y cada uno de los dos fue Caín, y cada uno, Abel.
Los enterraron juntos. La nieve y la corrupción los conocen.
El hecho que refiero pasó en un tiempo que no podemos entender.

sexta-feira, 2 de abril de 2010

VIERNES SANTO
Sexta-feira santa em Esperanza! Sexta-feira santa cheia de amigos, de peixe feito pelo Cristiano, de arroz feito pela Cibele. De conversa, muita conversa boa e risadas com "los chicos" de Santa Fe y Esperanza. Vienes lluvioso, de uma chuva que lava a alma da gente.

quarta-feira, 31 de março de 2010

Las empanadas de Maradona

As empanadas Argentinas são, depois do "asado", o prato mais conhecido do país. São uma delícia. Estão por toda a parte. São de carne, de galinha, de legumes, com ou sem azeitonas, com ou sem passas, doces, salgadas, agridoces. Cada região do país recheia as empanadas com seus gostos peculiares...mais picantes, mais doces, mais aromáticas. Qué se yo! O fato é que vir intercambiar na Argentina significa, dentre outras coisas, aprender a fazer empanadas, saber da sua origem "Persia". E isso é simples e barato. Evidente que se vamos preparar a massa em casa o prato dá mais trabalho. Mas no caso de termos a massa à mão, em 20 minutos se está com tudo "listo". Achar massa de empanadas aqui é tão fácil como achar massa de pastel no Brasil. É, da mesma forma, um prato barato de fazer. Doze empanadas custam +/- 8 pesos, contando massa e recheio.

segunda-feira, 29 de março de 2010

El asado francés

Para aqueles que esperavam que eu contasse como é o VERDADEIRO asado Argentino, sinto informar: até agora eu não descobri o que isso seja. "Comi" um asado preparado por um francês. No entanto, na RAE - Residencia para Alumnos Extranjeros - isso não é problema. Aqui, asado é intercâmbio cultural. Uma reunião de tipos oriundos de diferentes países, estados, culturas, crenças. Gente que não está interessada no sabor da carne, mas no valor da charla. No cambio, na troca, no aperto de mão, no conhecimento do outro, do mundo do outro. Eu, intercambista que sou, espero firme e forte um chamado para um asado tipicamente castellano. Em troca, um mate, um carreteiro, um churrasco e um laço de amizade.
A falsa impressão de que temos mais...


Quando chegamos a um país que tem a sua moeda menos valorizada do que a nossa é uma alegria imensa. Durante alguns dias desfrutamos de um sentimento único, o de estarmos "bem na foto". Ledo engano! Passadas duas semanas, descobrimos que real mesmo é o famoso verso da canção de Paulinho da Viola. "Dinheiro na mão é vendaval", é viração, é tempestade, é desesperador para aquele que não tem o pé no chão. Comer, vestir, deslocar-se, conhecer a cultura do outro... gera um custo absurdo. E que custo viver em um país onde a inflação não está controlada. Na Argentina, lechuga é por quilo. O café custa o mesmo valor que no Brasil, e o sabor do expresso do outro lado da fronteira é incomparável. Viva o café com pão, café com pão, café com pão! A carne (para aqueles que miram o país do Maradona como um país que investe no campo) custa o dobro do que pagamos no Rio Grande do Sul. Gallina é luxo. Porco não se come. Charque, só fazendo em casa. "Dinheiro na mão é vendaval, é solução, é solidão" - e eu, com o pouco que tenho, como palavrinhas em castellano, porque livro aqui é coisa consumível. É artigo popular. Falsa impressão a de se ter mais. Se tem igual. Se tem igual.

quinta-feira, 25 de março de 2010

LAS PRIMERAS CLASES

As primeiras aulas na Argentina foram de tirar o fôlego. Literatura aqui tem outra conotação. É papo sério! Não que no Brasil não seja, não que na UFSM não seja. É, sem sombra de dúvidas. Mas aqui a teoria acompanha o texto, salienta-se de uma outra forma. As classes de literatura são o conúbio entre prazer e trabalho. Ou melhor, um trabalho árduo que gera o prazer de conhecer mais. Nas aulas, o aluno é peça chave. O aluno tem voz. Participa... E eu estou feliz da vida com isso!

terça-feira, 23 de março de 2010

Apresentação oficial

No dia 18 de março, 53 intercambistas de diferentes partes do mundo foram apresentados à UNL. Na chegada ao "Reitorado" - prédio que foi palco de duas assinaturas constitucionais da Argentina - fui logo sendo entrevistada pelos jornalistas da Rádio da Universidade. Eu e um espanhol. Metida que sempre fui (graças a Deus!), não titubiei nem um segundo e hablei um espanhol capaz de não envergonhar o meu país. Aliás, viva a educação brasileira, que nos permite saber um pouco de cada cultura, porque isso faz uma "baita" diferença fora do país.

Feitas as apresentações e dadas as boas vindas, fomos conhecer a rádio da UNL. Lá falei ao vivo...e... mirem que bueno... o radialista elogiou o meu espanhol provinciano, "pelo duro". Sim...na "Provincia de São Pedro tá assim de graxaim"... Após esse passeio super pop-star, fomos almoçar no restaurante "SANTA FE" - tudo pago pela "universidad". Durante a tarde, conhecemos uma cervejaria e descobri uma expressão tipicamente santafesina: "salir a tomar liso". Aqui se bebe muita cerveja de barril.

Do guarda-roupa e da vida

Sempre tive uma relação interessante com o meu guarda-roupa. Sempre. E de alguma forma muito misteriosa ele revela como anda minha vida ...