domingo, 20 de junho de 2010

Finaleira: os benefícios e os malefícios de fazer um intercâmbio

Certamente a escritura deste texto deveria vir depois de passado o caos. Atrevo-me, portanto, a errar em algumas considerações por ter o pensamento cheio de rusga, de saudade, de vontade de partir. Entonces...

Um intercâmbio é uma grande oportunidade de crescimento (ou não, como tudo na vida). Há quem o aproveite de todas as formas e há quem ache algumas delas "bens" equivocados. Eu sou uma dessas pessoas que não acha graça em tudo. Isso é uma constatação que o intercâmbio veio afirmar ou confirmar para mim. Eu sou careta, sim. E sou muitas outras coisas também... meus defeitos estão aí, para quem quiser nomeá-los. Mas, se tenho algumas qualidades (hã, porque eu também as tenho - tsc tsc tsc), que possam ser destacadas neste momento, são elas a da paciência e a da persistência.

Tive paciência de viver em um dormitório revirado, com inúmeras coisas jogas ao chão. Tive paciência de cozinhar em uma cozinha imunda. Tive paciência de tentar dormir com risadas altas, gritos e músicas. Tive paciência de escutar bobagens, sacanagens, deselegâncias, destemperos. ... E perdi a paciência muitas vezes.

Tive persistencia de chegar ao fim (porque agora faltam somente 13 dias) com alguns arranhões, sim, e com a certeza de que o homem é mesmo um bicho estranho. Um animal que intenta a todo tempo impor uma identidade (eu mesma faço isso todo o tempo na minha terra e na terra alheia), um gosto, uma "regra moral" (regra essa que grande parte da bicharada desconhece por pura falta de orientação).

o Intercâmbio serviu para visualizar o mundo no pequeno espaço de uma casa e ver que, de fato, a sociedade corrompe (quase todos) os homens. Serviu, também, para ter certeza que amizades ainda são possiveis, que há gente boa no mundo e que este, de todo, não está perdido.

Se eu voltaria para a RAE? Nunca mais. A Argentina me recebe todos os anos ... mas morar com tanta gente diferente é uma loucura que não cometo jamais. Saudade? Sim ... não de todos.

Copa do Mundo desde Argentina


Copa do mundo mexe com a gente, mexe com o sentimento patriota que existe em cada um de nós. Quando se está longe da terra, então, todos estes sentimentos se afloram em outros matizes. Emergem em verde e amarelo, mesclado com tons de azul. Da Argentina, o Brasil se torna ainda mais "gigante pela própria natureza".

sábado, 5 de junho de 2010

La Murga Uruguaya en Santa Fe

Sempre achei carnaval uma coisa bastante comercial. O Brasil ganha muito com cerveja e fantasias. Há quem pague o ano inteiro a roupa que usará para cruzar a Sapucaí. Há quem se desespere por um camarote nos bailes e avenidas das pequenas, mas não menos entusiastas, cidades. Eu, que fujo dos burburinhos e beberagens, sou mais de ficar em casa nestas épocas. Coisa que nega um pouco a minha brasilidade. Ou, pelo contrário, que afirme outros valores que trago. A Murga Uruguaya me agradou por isso. O carnaval para los orientales não é desfile da nudez, das siliconadas e das popozudas. É riso com arte e arte com crítica e crítica com inteligência. Comparada as fantasias dos foliões do Rio de Janeiro, os trajes das murgas são trapos pouco atrativos. Mas a ginga, o saracoteio é o mesmo que no medievo já existia. A murga uruguaya é puro talento.

http://www.murgalaclave.com/

terça-feira, 1 de junho de 2010

"(...) me fala que a égua ta prenha, que o porco ta gordo, que o baio anda solto, que toda a cuscada lá em casa comeu"

Do guarda-roupa e da vida

Sempre tive uma relação interessante com o meu guarda-roupa. Sempre. E de alguma forma muito misteriosa ele revela como anda minha vida ...